Qual é o ciclo de vida de uma startup?

A vida das startups tem etapas bem definidas e cumpri-las da forma correta é crucial para acelerar o sucesso

Startups têm grandes chances de morrer nos primeiros cinco meses de vida, mas alguns passos simples podem evitar a morte prematura Existem algumas fases bem características na evolução de uma startup. Apesar de algumas pularem uma ou outra fase sem comprometerem seu sucesso, existe uma certa ordem nos passos a serem percorridos. Assim como uma pequena empresa tem grandes chances de morrer nos seus primeiros cinco anos, startups têm uma chance ainda maior de morrerem nos cinco primeiros meses. Com toda essa incerteza, cumprir cada fase da forma correta é crucial para acelerar seu sucesso – ou ao menos um sinal para desistir da ideia o mais rápido possível, evitando gastar muito tempo e recursos com algo que não daria certo. A evolução no tempo Imagine uma reta do tempo. Quanto mais à esquerda, menor a evolução e valor de uma startup. Quanto mais ela avança para a direita, maiores são as chances do projeto. A figura abaixo mostra as cinco fases iniciais do ciclo de definição do produto. Nela, os empreendedores trabalham para conseguir definir a primeira oferta do produto a ser colocado no mercado, e cumprem os seguintes passos:

– Ideia: a detecção da oportunidade, seja através de uma inovação ou de uma oferta ainda não trabalhada pelo mercado.

– Modelo de negócio: o processo ou fórmula pelo qual a startup cria, entrega e captura valor.

– Elevator pitch: um discurso curto que condensa claramente o que a startup pretende oferecer, e por que o produto é viável.

– Mockup: uma maquete bem simples que traduz visualmente a aparência do produto, ajudando a entendê-lo um pouco melhor.

– Protótipo: uma simulação de como o produto ou serviço irá funcionar quando estiver nas mãos do cliente.

A figura seguinte mostra o ciclo de definição de mercado, com as fases posteriores à criação do produto. Muitas startups morrem antes mesmo de chegarem a esse ciclo, e justamente por isso é tão importante que o empreendedor tenha realizado o ciclo anterior da forma correta:

– Minimum viable product: o MVP – produto mínimo viável – representa o produto mais simples pelo qual o cliente aceita pagar.

– Receita: nessa fase trabalha-se para incrementar o produto já pronto e aumentar a receita.

– Break-even: é o ponto onde as receitas se estabilizam e a startup deixa de dar prejuízo.

– Product-market fit: quando a startup encontra o mercado que demanda o produto em uma taxa até maior do que a startup consegue atender.

– Saída: nessa fase, o empreendedor vende sua startup parcialmente ou totalmente para uma grande empresa, ou abre seu capital na bolsa.

Ao completar esses dois grandes ciclos, uma startup morre para se tornar uma grande empresa – ou uma parte da grande empresa que a comprou. A partir do próximo artigo, falaremos de cada fase com detalhes.

Yuri Gitahy é fundador da Aceleradora, que apoia startups com gestão e capital semente. Iniciou sua carreira na IBM, deu aulas pela Sun Microsystems, participou da criação da Internet brasileira na RNP, ajudou a implantar e lançar o BOL, foi gerente no UOL, sócio-diretor da Vetta e fundador da Krenak, uma consultoria de gestão de TI para grandes empresas. Desde 2007, atua também como conselheiro em startups de tecnologia

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s